quinta-feira, 19 de abril de 2012

INTRÍNSECA MENTE

Engolido!
Sobre um palco sugerido…
Num semblante indefinido…
Qual caminho dividido…
Perdido no reflectir
Lamentos!
Rebuscados sentimentos…
Procura de movimentos…
Na busca de ligamentos…
De alimentos por surtir
Divisões!
Perturbantes sensações…
Aguerridas invenções…
Onde calam emoções…
De ilusões por percutir
Contingências!
Transformadas evidências…
Cautelosas contundências…
Perdidas intransigências …
Reticências de existir

Alex M

2 comentários:

Rogério Pereira disse...

Intrinseca mente
Mente de poeta?
Poeta que mente?
Viva sem reticências
Viva com a gente
extrinsecamente

Alex M disse...

Mente da gente que mente
Consciente ou inconsciente!
O poeta geralmente
Poderá eventualmente
Ser contente ou descontente...

Já dizia o Senhor Pessoa:

"O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente."

Viva sem reticências
Viva com a gente
extrinsecamente